Fotos & Desenhos

Colour Futures

A sexta edição do Colour Futures, livro que aponta as tendências de cores e estilos para o próximo ano, indica o tom Cheiro-Verde como a cor de 2009. Segundo a publicação, trata-se de um verde refrescante e de efeitos relaxantes, a cor do ano representa o perfeito alinhamento entre a natureza e a ciência, em busca de um sentido harmonioso e sustentável para nossas vidas. De acordo com o Colour Futures 2009, o tom Cheiro-Verde nos remete à importância da água para nosso ecossistema, a tecnologia das luzes LED (Diodo Emissor de Luz), bem como o complexo equipamento de monitoramento dos laboratórios que são essenciais para nosso bem-estar e progresso.

 

“A cor do ano transmite tranqüilidade, progresso, renovação, responsabilidade e sociabilidade”, esclarece Paola Vieira, Gerente de Colour Marketing da Coral e representante brasileira dentre as nove especialistas em cores, internas e externas à companhia, responsáveis pelo estudo. Devido a estas características, o verde Cheiro-Verde tem um papel importante tanto no design de interiores como em áreas externas da casa, podendo ser aplicado em diversos ambientes sem perder a personalidade.

 

Ainda de acordo com a especialista, em ambientes mais modernos a cor do ano funciona bem quando alinhada a vidro, aço ou concreto, e combina com uma paleta de cinzas, azuis suaves, lilás acinzentado e chocolate. Caso a intenção seja criar um ambiente mais quente, Paola aconselha utilizar tons mais cálidos, como o ameixa, terracota, pêssego e rosa cor da pele.

 

 

TEMAS-CHAVES DE 2009

 

              I.      Além do tom Cheiro-Verde, o Colour Futures também revela os cinco temas-chaves para o próximo ano: “Ecoarquitetura”, “Dimensões do Branco”, “Herança Cultural”, “Equilibrium” e “Diversão em Casa”. Cada tema é uma coleção de cores baseada nas várias famílias que, em conjunto, refletem tendências de estilo. De acordo com Paola Vieira, 76 cores foram utilizadas para compor o livro, sendo que algumas aparecem em mais de um tema.

 

           II.      O tema “Ecoarquitetura” surgiu a partir de um novo panorama, no qual a maioria das pessoas está preocupada com a construção sustentável, que respeite o meio ambiente. Altíssima tecnologia e sistemas inteligentes estão sendo utilizados para buscar soluções ecologicamente eficientes. Sua paleta tem cores suaves, vindas da natureza, como palha, azeitona, salgueiro e água, que são avivadas e refletidas por verdes tecnológicos, azuis do mar e tons arquitetônicos mais profundos.

 

         III.      “Dimensões do Branco” tem a luz como seu principal elemento, permitindo assim uma sutil integração de tonalidades e contrastes. O visual leve e aéreo traz um toque de magia moderna e futurista. A coleção de cores combina novos brancos delicados e cor de giz com assombreamentos comedidos e sutis, que fazem fundo aos tons mais fortes relativos à construção, tais como ferrugem, barro e ardósia escura.

 

        IV.      Já a “Herança Cultural” aborda um novo enfoque sobre o design e o artesanato: as microproduções e edições limitadas criadas em comunidades sustentáveis. Neste contexto, cada peça produzida é exclusiva e tem sua própria história e valor, combatendo a padronização e a banalidade. A memória viva do artesanato de ontem irá criar os novos horizontes do design de amanhã, pressupõe o estudo Colour Futures. A paleta deste tema combina uma nobre e variada linha de tonalidades botânicas, tais como mostarda, babosa, uva e cacto, enriquecidas por cores mais vibrantes e modernos tons tecnológicos.

 

           V.      “Equilibrium” exemplifica a nova atitude em relação à vida, a reavaliação de nossos relacionamentos uns com os outros, com nossas comunidades e com os rigores da vida moderna. Isto é ao mesmo tempo introspectivo e contemplativo, mas está longe da atitude egoísta que vivíamos num passado não muito distante. É a busca de um tempo para sermos sociáveis, mas calmos; ativos, porém descansados; humanos, mas espirituais. Inspirada em tons de chá, a paleta deste tema conta com uma coleção de cores calmantes e agradáveis, como jasmim, rosa, tília, musgo e menta. Esses tons são sociáveis e confortantes, levando delicadeza à paleta.

 

        VI.      O quinto e último tema, “Diversão em Casa”, é alegre e conta com uma simplicidade ingênua, fazendo apelo tanto aos jovens de idade como aos jovens de espírito. Trata-se de fazer a forma funcional ser sinônimo de diversão, tornando a casa um espaço divertido e um meio de auto-expressão, além de um ambiente de convivência social. Neste contexto, reinam os “plásticos fantásticos”, tanto em termos de material como de cores, tonalidades ousadas em combinações mirabolantes resultando em uma sensação de alegria e humor.

 

Segundo Paola Vieira, esse enfoque permite o uso de cores muito fortes, mas sem sobrecarregar o todo. A paleta deste tema é única e inesperada, trazendo uma sensação de otimismo e remetendo a tons de brinquedos. Ela contém tons vibrantes e saturados, como coral, pomelo, kiwi e fúcsia, em contrastes com tons mais suaves e rebaixados, como grafite, cru e khaki, em combinações das mais expressivas.

 

 

A EVOLUÇÃO DAS CORES

 

              I.      Nos últimos seis anos, o Colour Futures apresentou uma mudança significativa na "Cor do Ano", o tom que melhor representa o estado de espírito e a tendência do momento. Em 2004, a publicação elegeu o turquesa suave, que traduzia a necessidade de equilíbrio entre mente e corpo.

 

           II.      No ano seguinte, a cor laranja, mais vívida, simbolizou a vitalidade e o otimismo. O ano de 2006 trouxe um amarelo-esverdeado, com forte apelo ecológico, enquanto 2007 teve um rosa mais masculino, representando uma nova regeneração urbana em arquitetura e design.

 

         III.      Já o amarelo de 2008 uniu o Oriente ao Ocidente, ilustrando respeito pelo passado e otimismo para o futuro. O ano de 2009 é representado pelo verde, que traz uma sensação de silêncio da natureza, de cura e equilíbrio. 

 

 

SOBRE O COLOUR FUTURES

 

O livro de tendências de cores é resultado de constantes pesquisas mundiais feitas por um grupo internacional de consultores em cores, internos e externos à AkzoNobel. A equipe se reúne uma vez ao ano para discutir e apontar as cores que serão referência no próximo ano. O resultado é uma paleta de cores contemporâneas, guiadas pelos movimentos e interesses da sociedade.